Fechar

Jordan B. Peterson

Jordan Peterson – nascido em 1962 – é um verdadeiro fenômeno intelectual: sua página no YouTube já recebeu quase 100 milhões de visualizações. Ao mesmo tempo, é um acadêmico de primeiro nível: foi professor de psicologia em Harvard de 1993 a 1998, tendo passado antes (de 1985 a 1993) pela Universidade McGill e lecionando atualmente (desde 1998) na Universidade de Toronto.

Sua ascensão à fama ocorreu inesperadamente – por ter gerado polêmica ao se opor a um projeto de lei canadense que transformaria em crime a recusa a se dirigir a outra pessoa com o pronome de tratamento que ela desejar. Nas várias entrevistas que concedeu após o caso, Peterson despertou interesse do público por sua extraordinária aptidão a identificar a fragilidade dos discursos ideológicos e a manter-se ponderado mesmo quando sob oposição.

Semelhante habilidade não é fortuita; na verdade, remonta à sua própria teoria, exposta em Mapas do Significado A arquitetura da crença, sobre como as ideias humanas se estruturam e repercutem em nosso comportamento diário. Esse livro reúne psicanálise junguiana, psicobiologia evolutiva, religiões comparadas e literatura contemporânea para construir uma crítica à postura ideológica, defender a responsabilidade individual e revalorizar as tradições religiosas.

Influenciado por Jung, Nietzsche, Viktor Frankl e Northrop Frye, Jordan Peterson é o autor, ainda, de Doze Regras para a Vida – Um antídoto para o caos, e escreveu mais de cem artigos científicos. Seus estudos têm contribuído para a compreensão da personalidade e da criatividade humanas, a ponto de ter sido nomeado para o respeitado prêmio Levinson Teaching.

Foi eleito pelos alunos da Universidade de Toronto um dos três “professores que de fato transformam vidas” e, na Universidade de Ontário, por cinco anos seguidos, um dos melhores palestrantes. Suas aulas são frequentadas tanto por estudantes de psicologia como por profissionais das áreas de negócios, saúde e direito. Admirado também como psicólogo clínico, Peterson prestou consultoria a um projeto de um ex-secretário-geral da ONU.

Na juventude, chegou a trabalhar como bartender, cozinheiro, ferroviário e operário. Entre as aventuras de que se orgulha, ele explorou com um grupo de astronautas uma cratera aberta pela queda de um meteorito no Arizona, disputou uma corrida de veleiros artesanais ao redor da ilha de Alcatraz nos EUA, conviveu com uma tribo Kwakiutl na costa noroeste do Oceano Pacífico e construiu uma cabana de estilo indígena no sótão de sua casa em Toronto.

Jordan Peterson define-se politicamente como um liberal clássico. Intelectuais respeitados como Camille Paglia e Ayaan Hirsi Ali já expressaram admiração por esse pensador, que desponta hoje como um dos principais defensores da liberdade de expressão e um dos mais agudos críticos da filosofia pós-moderna e da linguagem politicamente correta.