Fechar

Politicamente Correto - Os debates Munk

AUTORES:
Peterson, Jordan B.; Fry, Stephen; Goldberg, Michelle e Dyson, Michael Eric

TRADUÇÃO:
Leones, André de

Editora:
É Realizações

Gênero:
Ciências Humanas e Sociais

Subgênero:
Política

Formato:
16 x 23 cm

Número de Páginas:
104

Acabamento:
Brochura

ISBN:
978-65-86217-11-7

Ano:
2020
Pertence à coleção:
Coleção Abertura Cultural

Tags:
liberdade de expressão, conflitos sociais e política

Politicamente Correto - Os debates Munk

R$49,90

CEP inválido! Verifique e tente novamente.


Sinopse

Este livro apresenta um debate sobre o tema do politicamente correto conduzido por quatro intelectuais de renome: Jordan Peterson, psicólogo clínico, professor na Universidade de Toronto e autor de best-sellers; Michael Eric Dyson, ministro ordenado, palestrante e professor; o premiado ator, apresentador e roteirista Stephen Fry; e Michelle Goldberg, colunista do The New York Times e correspondente do The American Prospect. Eles questionam, no clássico programa Debates Munk, se o politicamente correto é bom para a sociedade ou se é um inimigo da liberdade de expressão. Será que os grupos de direita e esquerda sabem o que é ser politicamente correto? A obra traz argumentos sólidos de ambos, fazendo com que o leitor reveja e enriqueça seu posicionamento.

Leia mais informações sobre o livro logo abaixo da seção "OBRAS RELACIONADAS"!

Leitores que compraram este livro se interessaram também por:

Mais obras de Jordan B. Peterson

 

SOBRE O LIVRO

 
Os Debates Munk são uma série de debates realizados semestralmente desde maio de 2008, no Canadá, tratando sempre de temas relacionados ao mundo contemporâneo, como o aquecimento global, questões de imigração, crescimento da China, declínio da Europa, entre muitos outros.

Nesta edição, o tema do politicamente correto foi escolhido para ser confrontado por intelectuais que trouxeram diferentes pontos de vista, abordando assuntos como feminismo, movimento negro, globalismo etc.: Jordan Peterson, psicólogo clínico, professor na Universidade de Toronto e autor de best-sellers; Michael Eric Dyson, ministro ordenado, palestrante e professor; o premiado ator, apresentador e roteirista Stephen Fry; e Michelle Goldberg, colunista do The New York Times e correspondente do The American Prospect.

Quem inicia a conversa é Michael Eric Dyson, mostrando sua visão do papel do politicamente correto: mostrar para pessoas privilegiadas que elas devem olhar mais ao seu redor. Em seguida, Michelle Goldberg diz que chama de progresso o que pessoas como Jordan Peterson chamam de politicamente correto. Progresso que defende minorias e os direitos das mulheres, por exemplo. Depois temos o ator Stephen Fry, que já inicia falando da perseguição que sofreu por estar do lado "direitista" do debate, por ser autoproclamado de esquerda. Segundo ele, o politicamente correto faz o trabalho contrário ao progresso. Acaba sendo um desserviço para o progressismo. A primeira parte termina com Jordan Peterson, que apresenta breves considerações históricas sobre o politicamente correto, mostrando que desde que nos entendemos por humanos, temos hierarquia e que a esquerda ¬– bem como a direita radical – gosta de tirar o individualismo humano e colocar uma espécie de coletivismo, o que é extremamente pernicioso.

Do lado a favor do politicamente correto, os argumentos giram em torno da máxima que direitos são conquistados por meio de lutas e de confrontações. O politicamente correto seria só mais uma forma de mostrar como negros, mulheres e transexuais são oprimidos e que precisam de respeito, seja pela linguagem ou pelo comportamento. Já do lado oposto, temos argumentos que expressam que o politicamente correto é só mais uma forma de tirania exercida pela esquerda radical que tem dominado as universidades, as mídias e todo o meio jovem, tentando, assim, modificar a linguagem, impor cancelamentos etc, e mostrando que não conhece o cidadão comum, pois qualquer pessoa sensata saberia que não se deve maltratar um homossexual. No final, a plateia pôde votar em quem se saiu melhor no debate, considerando quem conseguiu fazer com que mais pessoas mudassem de opinião. Jordan Peterson e Stephen Fry terminaram com 70% do público ao seu lado.

Endossos

 
  “SE A DEMOCRACIA PRECISA DE LIVRE TROCA E COMPREENSÃO DE OUTRAS IDEIAS, E ALGUMAS PESSOAS ESTÃO PREOCUPADAS QUE CERTOS TERMOS OU FORMAS DE PENSAMENTO TENHAM SIDO ARBITRARIAMENTE DECLARADOS FORA DOS LIMITES PARA DISCUSSÃO, ENQUANTO OUTROS DIZEM QUE O USO DE UMA LINGUAGEM APROPRIADA APENAS REFLETE UMA NOVA REALIDADE HÁ MUITO ESPERADA, ENTÃO ONDE É NOSSO TERRENO COMUM?”
CBC RADIO

Curiosidades

 
  •  Os debates Munk são conhecidos em todo o mundo, mas por serem transmitidos em língua inglesa tem pouca penetração em países latinos. O livro mostra a importância de debates assim para a manutenção da democracia.
 
  •  Quase não há livros que apresentam grandes debates no Brasil.

  • O livro Politicamente correto mostra um dos maiores intelectuais do mundo, o psicólogo clínico Jordan Peterson, colocando o seu ponto de vista sobre assuntos que são um tanto delicados, mas com muita erudição e sem medo de seus posicionamentos.

  • A obra traz o ponto de vista de intelectuais de três países diferentes sobre o assunto.

  •  Pouco se fala sobre o movimento #Metoo no Brasil, e o livro traz uma longa abordagem sobre o tema que percorre o mundo todo.

  •  O livro traz uma conversa informal e descontraída, é de fácil sua leitura e permite uma boa assimilação dos conceitos apresentados.

SUA LEITURA SERÁ ESPECIALMENTE PROVEITOSA PARA:

 
  •  Leitores de Jordan Peterson.

  •  Estudantes de Jornalismo, Filosofia, Sociologia e Ciência Política.

  •  Professores de História Contemporânea e de Jornalismo.

  • Jornalistas.

  •  Formadores de opinião.

  • Pessoas interessadas nos debates contemporâneos sobre os temas envolvendo identidade de gênero, minorias, movimento negro etc.