Fechar

A Crise da Cultura e a Ordem do Amor - Ensaios filosóficos

AUTOR:
Pinheiro, Victor Sales

PREFÁCIO:
Righi, Maurício G.

Editora:
É Realizações

Gênero:
Ciências Humanas e Sociais

Subgênero:
Filosofia

Formato:
16 x 23 cm

Número de Páginas:
376

Acabamento:
Brochura

ISBN:
978-65-86217-34-6

Ano:
2021
Pertence à coleção:
Coleção Abertura Cultural

Tags:
filosofia e ensaios

A Crise da Cultura e a Ordem do Amor - Ensaios filosóficos

R$94,90
Avise-me

Avise-me quando estiver disponível

Adicionar à lista de desejos

CEP inválido! Verifique e tente novamente.


Sinopse

O filósofo e professor brasileiro, Victor Sales Pinheiro, impressiona em seu livro A Crise da Cultura e a Ordem do Amor, com a profundidade de seu pensamento. O livro reúne ensaios escritos pelo autor ao longo de pouco mais do que quinze anos, ou seja, desde que adentrou na empreitada filosófica. Embora o livro pareça, em um primeiro instante, uma mera reunião de artigos, saiba que ele é mais do que isso.

A Crise da Cultura e a Ordem do Amor é separado em duas partes sendo elas, respectivamente, “A Crise da Cultura” e “A Ordem do Amor”. Essa ordem explicita o intuito de Sales com o livro que é não apenas apontar um problema – o da crise cultural –, mas também sugerir uma resposta que, alinhada ao pensamento agostiniano, se encontra na Ordo Amoris: o redirecionamento de nossos amores, nossos afetos.

Leia mais informações sobre o livro logo abaixo da seção "OBRAS RELACIONADAS"!

  • Palestra

Leitores que compraram este livro se interessaram também por:

 

SOBRE O LIVRO

A Crise da Cultura e a Ordem do Amor é um livro instigante e propositivo, que não apenas aponta um problema e o destrincha, mas propõe uma possível solução. Nessa empreitada filosófica e existencial, Sales se cobre de grandes pensadores do passado, como Sócrates, Platão e Aristóteles, até os mais contemporâneos como G. K. Chesterton, Eric Voegelin, René Girard e Miguel Reale. Para o autor, a crise cultural que nos afeta pode ser dividida em algumas crises internas, entre elas, a crise de sentido, a moral, a da formação, a da comunicação, a da ciência e, por último, a da civilização. Na primeira seção do livro, Sales explora essas crises a fim de expor o verdadeiro problema existencial que rodeia toda a nossa época: o ser humano perdeu seu rumo. Tudo está desordenado e, por mais que certas coisas aparentem ter ordem, sempre acabam por desabar. Nossa sociedade reconstruiu suas bases com madeira velha e esperou que um edifício de concreto se sustentasse com bases velhas. Como solução à crise, Sales sugere a reordenação de nossos amores e, para isso, estabelece quatro pontos centrais para essa reordenação. Eles se focam na autoavaliação e reordenação da vida moral, da social, da intelectual e, por fim, da vida espiritual. A obra de Sales, longe de ser um livro com artigos dispersos, é uma reflexão e proposta à retomada da tradição que nos formou. Um retorno às bases que abandonamos e nos trouxeram ao caos e à barbárie atuais. Não se trata de mais um livro de crítica cultural, mas de um diagnóstico de nossa sociedade e uma receita de remédio. A Crise da Cultura e a Ordem do Amor é um mapa que identifica exatamente onde estamos e uma lanterna que nos auxilia a encontrar o caminho de volta para casa.

 

Curiosidades

 
• O autor possui grande reconhecimento no meio intelectual brasileiro e uma ótima produção acadêmica.

• O livro dialoga diretamente com muitos autores do catálogo, tais como Voegelin, Girard, Eliot, Sertillanges e outros.

• O livro toca em temas latentes do debate público contemporâneo e elucida questões relacionadas a temas sobre guerra/revolução cultural.

SUA LEITURA SERÁ ESPECIALMENTE PROVEITOSA PARA:

 
• Estudantes de História, Filosofia e Teologia.

• Pesquisadores e interessados filosofia moral, crítica cultural e teologia.

• Leitores de Theodore Dalrymple, Eric Voegelin, Christopher Dawson e T. S. Eliot.

• Professores de filosofia.