Fechar

Lixo - Como a sujeira dos outros molda a nossa vida

20%
AUTOR:
Dalrymple, Theodore

TRADUÇÃO:
Leones, André de

Editora:
É Realizações

Gênero:
Ciências Humanas e Sociais

Subgênero:
Crítica Cultural

Formato:
16 x 23 cm

Número de Páginas:
104

Acabamento:
Brochura

ISBN:
978-85-8033-349-7

Ano:
2018
Pertence à coleção:
Coleção Abertura Cultural

Tags:
responsabilidade individual, degradação dos valores, poluição, autopiedade, junk food, comportamento e Inglaterra

Data prevista de lançamento:
10/12/2018

R$39,90 R$31,92 Pré-venda

Adicionar à lista de desejos

Sinopse

Quando um historiador procura informações sobre uma civilização antiga, ele precisa investigar suas ruínas. Theodore Dalrymple se tornou um dos críticos sociais mais conhecidos da atualidade por considerar que alguns valores basilares do Ocidente estão sendo paulatinamente arruinados. Seus mais de dez livros publicados no Brasil dão suporte a esse diagnóstico com incontáveis evidências. Em Lixo, o autor reitera a sua análise refletindo, literalmente, sobre os detritos de nossa cultura. Quase como um arqueólogo-psiquiatra, o Dr. Dalrymple chama atenção para o tipo e a quantidade da sujeira que vem sendo deixada nos espaços públicos. Embalagens de alimentos e bebidas industrializados são os resíduos de uma prática recentemente desenvolvida: a de comer na rua, enquanto andamos.

O autor vasculha os diversos e deploráveis traços de comportamento que estão por trás de todo esse entulho. Não mais fazemos das refeições momentos de sociabilidade, mas as reduzimos à satisfação de desejos, como se fôssemos abutres. Deixamos de controlar nossas vontades pelos critérios da vida comunitária, renunciando tanto à capacidade de tomar decisões como ao refinamento do gosto. No ápice dessa postura, há a atitude indolente de se desfazer da sobra do que foi consumido onde quer que se esteja – pois, afinal, a sujeira será problema de outras pessoas. A preguiça, o sentimentalismo e a falta de senso de responsabilidade individual são detectáveis nesse hábito aparentemente fortuito. Enriquecida por digressões literárias e filosóficas e pelas memórias de atendimentos na prisão, essa é a hipótese chocante do novo livro em português do psiquiatra britânico Theodore Dalrymple.

Leia mais informações sobre o livro logo abaixo da seção "OBRAS RELACIONADAS"!

Mais obras de Theodore Dalrymple

 

SOBRE O LIVRO

Os leitores de Theodore Dalrymple já o viram comentar inúmeros temas da vida cotidiana: das tatuagens ao vocabulário politicamente correto, do hábito da leitura às maneiras de educar as crianças. Os vários best-sellers desse autor comprovam a sua habilidade em identificar – seja no discurso político, na produção artística e intelectual ou nos costumes mais prosaicos – certas tendências de comportamento em nossa época. O padrão que sempre se confirma, e é por ele criticado, é que formamos uma cultura sentimentalista e cínica; já quase não podemos suportar o valor da responsabilidade individual. Neste novo livro, o diagnóstico se repete a partir da observação de um fenômeno que é aparentemente banal: o costume de poluirmos as ruas com tanto lixo, descartando em qualquer lugar os detritos do que consumimos. Por trás dessa prática, o ensaísta e psiquiatra reconhece uma grande cadeia de distorções. Para começar, a maior parte do lixo consiste em embalagens plásticas de bebidas e salgadinhos industrialmente processados – junk food ou, literalmente, “comida lixo”. Em segundo lugar, as embalagens dos alimentos são descartadas na rua porque é nela que a maioria das pessoas os consome. Na Inglaterra, a ideia de fast food ganhou um novo dado: os lanches não apenas são feitos rapidamente, mas também são consumidos às pressas, na rua mesmo, enquanto se anda. 

Qual é o problema? Theodore Dalrymple observa sem rodeios: o momento da refeição como oportunidade de convívio social é o que confere civilidade ao ato de se alimentar e, quando o reduzimos a um momento de suprir uma necessidade ou de realizar um desejo, passamos a nos comportar como predadores na savana. Se as ruas se tornaram o palco dessa degradação, isto é assim porque as casas deixaram de ser um ambiente em que se aprendem os valores civilizacionais. Poucos são os lares que mantêm o costume de reunir a família à mesa, e muitos os que abriram mão do hábito de cozinhar em favor da praticidade de aquecer comidas prontas no micro-ondas. A pobreza do gosto e a preguiça reforçam-se mutuamente. Por acaso esta constatação parece só o resmungo de um crítico rabugento? Na verdade se trata de algo mais sério e interessante. Como o autor expressa: “a dieta é a metonímia de um estilo de vida”. Na origem daqueles traços de comportamento, o Dr. Dalrymple encontra problemas estruturais da cultura moderna. A mesma superficialidade com que encaramos a comida é o modo como lidamos com os relacionamentos interpessoais. A mesma supremacia dos desejos instantâneos é o que ensinamos às crianças, que por isso se tornam adultos emocionalmente frágeis e mimados.

As memórias do psiquiatra e seu humor sarcástico não deixam de comparecer no livro, para o deleite dos seus leitores. Nessas passagens, o brilhantismo do ensaísta se une à agudeza do crítico social. Dalrymple mostra como as crianças (des)educadas no interior de uma tal cultura se tornam adultos lamentáveis, tais como alguns que ele conheceu enquanto trabalhava em prisões. Havia presidiários que lhe exigiam a prescrição de algum remédio e, se por acaso ele não encontrasse motivo para tanto, a reação era de espanto: “Não! Como assim, não?” – o detento exclamava, “como se ouvisse a palavra pela primeira vez na vida”. Até a perda do senso de responsabilidade individual – um dos diagnósticos culturais mais frequentes nos livros de Dalrymple – apresenta algum vínculo com o costume de descartar lixo em qualquer lugar. Uma vez que as pessoas que o fazem se comportam assim para atender aos seus impulsos, sem se importar com os compromissos sociais, tais indivíduos estão na prática renunciando à capacidade de se autoconter e de tomar decisões. Deste modo, quando um cidadão descarta seu lixo em qualquer lugar pensando que limpar a sujeira é problema de outras pessoas, o que ele faz na verdade é ignorar os seus próprios problemas. A leitura deste livro o ajudará a perceber, pelo menos, que esses problemas são graves e muitos.



Endossos

“Do começo ao fim, Dalrymple reage, com seu estilo frio e filosófico, ao comportamento ultrajante dos seus compatriotas. [...] Ele simplesmente observa – de modo quase científico, sem sentir a necessidade de dourar a pílula – um comportamento humano insatisfatório. Imune a qualquer otimismo infundado e a qualquer desejo de ser aplaudido, ele é uma rara voz da verdade, atacada por otimistas mal orientados [...].”
– Harry Mount, The Spectator

“[...] em meio ao novo barbarismo de nossos espaços públicos, e aos disparates complacentes e conformistas dos redutos de tagarelice, a voz calma e dissidente de Theodore Dalrymple é um pequeno oásis de sanidade e de verdade.” – Alexander Neville, Daily Mail
“Peculiarmente brilhante.” – Dominic Lawson, Sunday Times


Curiosidades

• Theodore Dalrymple é um dos autores mais lidos de nosso catálogo.

• Este livro é uma advertência sobre o grave estado a que chegou um hábito inglês que é também existente, porém em nível menos dramático, no Brasil. Talvez a leitura da obra nos ajude a corrigir esse costume enquanto há tempo.

• As recentes visitas do autor ao Brasil, em 2016 e em 2018, aumentaram o interesse do público por suas análises da cultura contemporânea.

• A tradução e as notas do volume são de André de Leones, um dos mais prestigiados entre os jovens escritores brasileiros.

 

SUA LEITURA SERÁ ESPECIALMENTE PROVEITOSA PARA:

• Leitores de Theodore Dalrymple.

• Apreciadores da crítica cultural conservadora.

• Interessados na discussão sobre desafios culturais contemporâneos, psicologia social ou problemas ambientais.

• Admiradores do jornalismo cultural de língua inglesa.

• Estudantes (formais ou autodidatas) de psicologia ou ciências sociais.

• Professores secundários de sociologia.

• Pesquisadores dos hábitos da sociedade europeia atual.