Compartilhe, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Escolástica: Significado, História, Principais Ideias e Pensadores

Nesta breve introdução sobre a Escolástica, falaremos rapidamente sobre sua história, alguns de seus principais pensadores e suas principais características.

Veremos também sua importância para o pensamento ocidental e sua influência em movimentos posteriores, assim como sua influência nos dias de hoje.

A escolástica é parte da época que, por muito tempo, foi compreendida como a Idade das Trevas, mas que, na verdade, de trevas não teve nada.

Escolástica Santo Tomás de Aquino 01
Santo Tomás de Aquino é considerado um dos principais nomes do período escolástico

Seria melhor que chamássemos a Idade Média – período de que a escolástica faz parte – de Idade da Luz, pois foi lá que muito da estrutura social e intelectual que temos hoje surgiu.

Por isso, faremos aqui um breve resumo das informações mais importantes que você precisa saber sobre a escolástica, sua história e seus pensadores.

Ao fim deste texto, indicaremos alguns livros para você conhecer mais sobre a escolástica, sua história e seus pensadores. Se quiser saber mais sobre a escolástica, leia este texto até o fim!

O que é Escolástica? (Conceito e Significado)

A Escolástica surgiu na época que pode ser compreendida como o ápice da cristandade.

A Idade Média foi a época em que o cristianismo alcançou uma estabilidade institucional e intelectual que não é comparável à de nenhuma outra época.

O período conhecido como Idade Média – embora existam algumas divergências entre historiadores quanto às datas – é comumente delimitado entre os séculos IX e XVI.

Escolástica São Bernardo de Claraval
São Bernardo de Claraval escreveu uma obra magistral sobre as heresias do filósofo Pedro Abelardo. Clique no próximo link para conhecer esse e outros títulos da coleção Medievalia!

Embora a Escolástica possa ser considerada uma escola de pensamento, se olharmos com exatidão, veremos que ela não é.

Na verdade, o escolasticismo é um método filosófico que foi extremamente utilizado e aprimorado nas universidades da Idade Média.

A Escolástica visou, sob grande influência do platonismo e principalmente do aristotelismo, a responder às diversas questões que a fé cristã suscita.

Escolástica Mário Ferreira dos Santos
O filósofo brasileiro Mário Ferreira dos Santos recebeu uma grande influência do escolasticismo. Foto: Arquivo Mário Ferreira dos Santos / É Realizações.

(…) a escolástica representa um período de máxima importância da filosofia. (…) Mas o que a tornou imensamente válida, e de uma importância ímpar, foi a realização da mais extraordinária análise que se conheceu na história do pensamento humano. A análise, levada em extensão e intensidade, permitiu que surgissem novos veios para o filosofar, veios que ainda não foram devidamente explorados.

Mário Ferreira dos Santos, Filosofias da Afirmação e da Negação, p. 135

Entre as grandes obras do período, podemos destacar as Questões Disputadas sobre a Alma e a Questão Disputada sobre as Criaturas Espirituais, do grande doutor da Igreja Santo Tomás de Aquino.

Santo Tomás de Aquino foi um dos principais pensadores da Escolástica. Foi ele que, na esteira dos comentários produzidos pela filosofia árabe da época, “batizou” o pensamento do filósofo grego Aristóteles.

Tomás de Aquino, como afirmou o filósofo Eric Voegelin em sua História das Ideias Políticas, foi o ápice intelectual da Escolástica.

Escolástica Eric Voegelin
Foto originalmente publicada em The Imaginative Conservative no texto Eric Voegelin: A Primer.

Você não conhece Eric Voegelin? Então clique no link a seguir e veja todos os títulos que temos do autor!

Foi o famoso “boi mudo da Sicília” quem mostrou para o mundo que fé e razão não são incompatíveis, mas, ao contrário, são duas irmãs inseparáveis, que caminham juntas.

Características do Método Escolástico

O método escolástico consistia, basicamente, em dois gêneros de discussão filosófica, chamados Lectio e Disputatio.

A Escolástica foi um período especialmente livresco, ou seja, um período completamente dado ao estudo e à leitura.

O mestre levava seus alunos a fazerem primeiramente a Lectio do texto, em seguida a Cursorie e, por fim, a Expositio propriamente dita.

Escolástica Santo Tomás de Aquino 02
Triunfo de Santo Tomás de Aquino sobre os Averroístas, de Benozzo Gozzolli, séc. XV.

Esta última consistia fundamentalmente na observação e análise da construção gramatical (Littera); em seguida, do sentido imediato (Sensus); e, por último, do sentido doutrinal do texto (Sententia).

A Sententia abarcava três tipos de interpretação, que eram a histórica, a alegórica e a sacra.

O crítico literário Northrop Frye fala sobre isso em seu clássico Anatomia da Crítica. Confira a palestra do professor João Cezar de Castro Rocha no lançamento do livro a seguir:

Por fim, a Disputatio consistia em submeter certos temas a debate, do que poderia resultar uma Questio. Em Santo Tomás, este gênero se desenvolve como uma reunião de artigos, por sua vez estruturados conforme o esquema: argumentos iniciais, sed contra, corpo da resposta e objeções aos argumentos iniciais.

Patrística e Escolástica

Embora consistam em épocas distintas, a era da Patrística e a era dos escolásticos são tidas como os principais momentos para a história do pensamento e a história do próprio cristianismo.

Foi na Patrística que o cristianismo começou a ter sua doutrina sistematizada e a desenvolver uma teologia mais robusta. E na Escolástica, a teologia cristã alcançou o seu ápice.

É comum observarmos nos doutores escolásticos citações dos Pais da Igreja. Os escolásticos constantemente utilizavam-se dos escritos da Patrística como fonte de autoridade.

Escolástica Santo Agostinho
Santo Agostinho por Philippe de Champaigne, séc. XVII.

Entre os Pais da Igreja mais relevantes, podemos sem sombra de dúvida citar Santo Agostinho, que foi uma grande influência para autores como Santo Tomás de Aquino, São Bernardo de Claraval, Cornelius Jansenius e Blaise Pascal.

O historiador católico Christopher Dawson, que aliás também recebeu grande influência de Santo Agostinho, fala muito bem sobre o assunto no livro A Formação da Cristandade. Assista à palestra de lançamento do livro:

Embora a Escolástica abarque autores que estruturaram linhas próprias de pensamento, é possível afirmar que grande parte do trabalho deles é uma derivação dos escritos da Patrística.

Ainda que Santo Tomás de Aquino tenha desenvolvido uma linha de pensamento que hoje é chamada tomista, é nítida a influência que Santo Agostinho teve sobre seu trabalho.

É perceptível essa influência, por exemplo, no uso que estes autores fazem da literatura tida como pagã. Se quiser saber mais: Hugo Langone concebeu uma cuidadosa investigação sobre o assunto no livro Chorar por Dido é Inutil.

Acontecimentos Notáveis do Período Escolástico

Entre os muitos episódios notáveis do período escolástico, podemos destacar a disputa entre o monge franciscano Duns Scot e o frade dominicano Santo Tomás de Aquino a respeito do dogma da imaculada conceição de Maria.

Duns Scot foi um grande filósofo medieval e um dos responsáveis pela defesa do hoje conhecido dogma da imaculada conceição de Maria.

Escolástica Duns Scot
Vitral da capela de um convento franciscano em Paris, feito por André Pierre e P. Vellete. Da esquerda para a direita: São Boaventura, Duns Scot e São Pascal Baylon. Foto por: GFreihalter.

Embora Santo Tomás de Aquino seja mais conhecido que Duns Scot, foi Duns Scot, e não Santo Tomás de Aquino, quem defendeu o importante dogma católico da imaculada conceição de Maria.

Para Duns Scot, Maria foi remida de seus pecados pelos méritos de Cristo antes mesmo de nascer e, por isso, nasceu sem pecado.

Nessa famosa Questio, a posição que prevaleceu foi a do venerável Duns Scot, e não a de Santo Tomás de Aquino.

Crise e Decadência da Escolástica

A crise escolástica começou perto do fim da Idade Média, com a ascensão do nominalismo e os primórdios do movimento de reforma da Igreja.

Richard Weaver identifica, no livro As Ideias Têm Consequências, que foi com Guilherme de Ockham que essa crise começou.

O filósofo Eric Voegelin, em Idade Média Tardia, entende do mesmo modo, e identifica uma considerável influência do pensamento de Ockham sobre Martinho Lutero.

Clique aqui para assistir às aulas do professor Mendo Castro Henriques sobre o pensamento político de Eric Voegelin!

Escolástica Christopher Dawson
Foto originalmente publicada em Intercollegiate Studies Institute.

A excepcional unidade cultural alcançada no século XIII não estava destinada a ser permanente, nem estava tão aperfeiçoada como poderíamos supor a partir do espetáculo dos grandes feitos da arte, da filosofia e da organização eclesiástica. Foi o resultado de um grande empenho espiritual deliberado que teve como consequência um grau de tensão muito elevado, seguido de uma inevitável reação em que elementos da cultura ocidental, reprimidos ou ignorados, voltaram a se afirmar.

Christopher Dawson, A Formação da Cristandade, p. 375

Como bem pontua o filósofo brasileiro Mário Ferreira dos Santos, a Escolástica se destaca por, de certa forma, ter esgotado e analisado com enorme minúcia os assuntos de sua época. Contudo, Voegelin mostra que foi exatamente neste momento que começou a decadência da Escolástica.

Escolástica Voegelin
Eric Voegelin falou sobre a Reforma Protestante no quarto volume da História das Ideias Políticas.

Essa exaustão levou a uma reação oposta, buscando não mais gerar divagações filosóficas sobre os diferentes assuntos, mas ater-se ao texto bíblico. Foi aí que surgiu a Reforma Protestante, tendo início a ascensão da modernidade.

Christopher Dawson fala a respeito da queda da unidade medieval e do surgimento da Reforma Protestante em seus livros A Formação da Cristandade e A Divisão da Cristandade. Confira todas as obras que publicamos de Christopher Dawson!

Conclusão

Fizemos aqui um rápido resumo de alguns pontos da Escolástica, sua história e seus principais pensadores.

Porém, um período tão rico quanto esse não pode se limitar a um simples texto introdutório!

Por esse motivo, selecionamos alguns títulos que poderão lhe ajudar a entender esse período fantástico do pensamento humano.

E pra você que já conhece esse período, mas quer aprofundar na obra dos próprios escolásticos, temos alguns livros a indicar também!

Algumas dicas de livros para entender a Escolástica

História das Ideias Políticas, vol. II: Idade Média até Tomás de Aquino – Eric Voegelin

História das Ideias Políticas, vol. III: Idade Média Tardia – Eric Voegelin

A Imagem Descartada – Para compreender a visão medieval de mundo – C.S. Lewis

A Formação da Cristandade – Das origens da tradição judaico-cristã à ascensão e queda da unidade medieval – Christopher Dawson

A Divisão da Cristandade – Da Reforma Protestante à era do Iluminismo – Christopher Dawson

Criação do Ocidente – A religião e a civilização medieval – Christopher Dawson

Inquéritos sobre Religião e Cultura – Christopher Dawson

Questões Disputadas sobre a Alma – Santo Tomás de Aquino

Questão Disputada sobre as Criaturas Espirituais – Santo Tomás de Aquino

As Heresias de Pedro Abelardo – São Bernardo de Claraval

Tratado do Primeiro Princípio – Duns Scot

As Ideias Têm Consequências – Richard M. Weaver

Chorar por Dido É Inútil – Santo Agostinho, as “Confissões” e o manejo da literatura pagã – Hugo Langone

Fé e Razão na Renascença – Uma introdução ao conceito de Deus na filosofia de Marsílio Ficino – Talyta Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *